terça-feira, 4 de agosto de 2020

FALAS FORA DAS FUNÇÕES DE TÉCNICO DE EDUCAÇÃO E DE PARLAMENTAR - DE 1936 A 1998



CENTENÁRIO DE CÂMARA TORRES
1917-2017
José Augusto da Câmara Torres
(* Caicó, RN, 1917 – † Niterói, RJ, 1998)
Jornalista, Educador, Advogado, Político

________________________________________



FALAS COMO INTELECTUAL
HOMEM PÚBLICO E DE CULTURA:
JORNALISTA, ESTUDANTE,
ATIVISTA CATÓLICO,
LÍDER UNIVERSITÁRIO, ADVOGADO,
POLÍTICO, ESCRITOR
E CIENTISTA SOCIAL.

PRONUNCIAMENTOS FEITOS
FORA DAS FUNÇÕES
DE TÉCNICO DE EDUCAÇÃO
E DE PARLAMENTAR

PRINCIPAIS AULAS, EXPOSIÇÕES
CONFERÊNCIAS / PALESTRAS
DISCURSOS / ORAÇÕES
CÍVICAS, CULTURAIS, PEDAGÓGICAS,
JURÍDICAS, POLÍTICAS,
ARTÍSTICAS, ACADÊMICAS,
DE 1936 A 1998
DOS 19 AOS 81 ANOS.


Câmara Torres fez, entre 1936 e 1998, dos 19 aos 81 anos, centenas de pronunciamentos em inúmeras situações como Intelectual, Homem Público e Homem de Cultura: ativista católico; estudante, acadêmico de Direito; líder universitário; professor, advogado, político, com ou sem mandato popular, escritor e cientista social, membro de instituições culturais diversas - referenciadas em quase todos os Capítulos desta Biografia. Abaixo estão listados alguns desses Pronunciamentos, com exceção daqueles diretamente ligadas às suas funções como Técnico de Educação do Estado do Rio de Janeiro e Deputado Estadual na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Durante o período de doze anos, 1942 a 1954, que chefiou a 1ª Inspetoria Escolar, quase todos os eventos e solenidades educacionais e socioculturais, ocorridos em Angra dos Reis, Paraty, Rio Claro e Mangaratiba, da inauguração de uma escola a uma celebração cívica e histórica, nacional, estadual ou municipal, passando por fatos de relevância para as comunidades – sempre contaram com pronunciamentos de Câmara Torres. Tais falas estão registradas em dius Capítulos desta Biografia: O JOVEM E REVOLUCIONÁRIO TÉCNICO DE EDUCAÇÃO e OBRA AUTORAL

As suas falas, de 1955 a 1970, que compreendem o cumprimentos dos seus quatro mandatos como Deputado Estadual na Assembleia Legislativa do Estado do Rio, estão registradas nos quatro respectivos Capítulos que tratam das quatro legislaturas, das quais participou. As demais falas de Câmara Torres, de 1971 a 1998, estão consignadas nos Capítulos: OBRA AUTORAL e O HOMEM E O SEU TEMPO - DE 1957 a 1998


ALGUNS REGISTROS
DE 1936 A 1998
DOS 19 AOS 81 ANOS.

(Abaixo não estão listadas centenas de falas de improviso)

  • Adeus! Discurso de encerramento do ano letivo de 1936, quando encerrava a sua vida como aluno salesiano ao concluir a quinta série ginasial, falando em nome de todos os formandos. Colégio Salesiano Santa Rosa, Niterói, 28.11.1936.
  • Glória e Louvor. Discurso, como orador oficial, da Turma de Bacharelandos do Colégio Salesiano Santa Rosa, no Banquete oferecido pelo Estabelecimento e pela classe, ao Paraninfo, Historiador e Escritor Gustavo Barroso, à época, “um dos intelectuais mais importantes do País”. Colégio Salesiano Santa Rosa, Niterói, dezembro de 1936.
  • A Poesia Anchietana. Conferência-ensaio, no Centro de Cultura José de Anchieta, do Colégio Salesiano Santa Rosa. Niterói, 7.10.1937.
  • Proclamação aos Moços Fluminenses. Manifesto escrito por José Augusto para a criação da Campanha da Comissão Universitária Fluminense Pró-Monumento à Princesa Isabel em Petrópolis, em 1937.
  • José Bonifácio, Discurso no Centenário de Falecimento do Patriarca da Independência, no Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro, em Niterói, a 6.4.1938.
  • Dayl de Almeida. Saudação como Presidente Associação Cultural São Francisco de Sales,  a Dayl de Almeida, na Sessão Solene quando este toma posse na Cadeira nº 8, patronímica de Rui Barbosa. Colégio Salesiano Santa Rosa, Niterói, a 28.4.1938.
  • Obrigação de participar da Ação Católica. Conferência apologética proferida nas comemorações do 4º aniversário da Congregação Mariana de N. Sa. Auxiliadora e S. João Bosco. Colégio Salesiano Santa Rosa, Niterói, a 2.6.1938. E na sede da Associação Cultural São Francisco de Sales, em Niterói, a 3.6.1938.
  • Olavo Bilac, Poeta da Terra e do Amor. Oração de posse como Diretor Literário e Artístico do Grêmio Lítero-Esportivo Olavo Bilac, entidade do Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro, em Niterói, a 15.10.1938.
  • Divagações Literárias sobre os olhos verdes. Oração-ensaio, no 89º aniversário de nascimento de Rui Barbosa, no Salão Nobre do Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro, em Niterói, a 5.11.1938. 





  • Saudação a Tristão de Athayde. Discurso de abertura de célebre Conferência pronunciada, a 11 de maio de 1940, no Teatro Municipal João Caetano, pelo jornalista, sociólogo e filósofo Tristão de Athayde (Alceu de Amoroso Lima) sobre o tema Jackson de Figueiredo e a Ação Católica. José Augusto da Câmara Torres, com 22 anos, discorre sobre Jackson, Tristão, a Igreja e a Nação, na condição de Presidente da Academia São Francisco de Sales – A.S.F.S., braço cultural da Congregação Mariana de N. Sa. Auxiliadora e S. João Bosco, que promoveu o evento. O segundanista da Faculdade de Direito representa a Comunidade Católica de Niterói. José Augusto havia sido aluno, durante o ano de 1936, e concluído o Curso de Sociologia ministrado por Tristão de Athayde, com o qual se identificava na fé cristã e intelectualmente, no Instituto Católico de Estudos Superiores, no Rio, fundado e dirigido pelo próprio Professor Alceu. Antes da fala de José Augusto: Hino das Congregações Marianas; Abertura da Sessão pelo Presidente de Honra da A.S.F.S., D. José Pereira Alves, Bispo Diocesano de Niterói; uma Valsa, de Chopin, ao piano, pela Profa. Jacira Müller Viana. Ao final do evento, o Hino Nacional. A notícia sobre o evento foi dada com destaque na primeira página, da edição de 11. 5.1940, do jornal A Ordem, de Natal, RN. Grande repercussão nos meios intelectuais e católicos da Velha Província e na Cidade do Rio de Janeiro.


11.5.1940. Ao lado de Tristão de Athayde, José Augusto o saúda, falando a um teatro repleto.
À direita do conferencista, Dom José Pereira Alves, Arcebispo de Niterói,
que preside a reunião, seguidos do Representante do Interventor Amaral Peixoto;
o Presidente da Academia Fluminense de Letras, Alberto Fortes; a Sra. Laura Alves Figueiredo, 
viúva de Jackson Figueiredo; e o Presidente da Ação Católica do Estado do Rio de Janeiro.
Prestigiaram o evento, intelectuais, autoridades civis, religiosas e militares.
(Acervo Marcelo Câmara)

  •  Um sacerdote de Caicó. Discurso feito no banquete oferecido pela comunidade católica de Caicó, RN, ao Padre caicoense padre Eymar L’ E. Monteiro, logo após a sua Primeira Missa, celebrada na Igreja de Sant’Ana, a 14 de janeiro de 1941.
  • A Mocidade em face da Igreja, eloquente evocação à juventude e ao povo de Caicó, pelo Movimento Ação Católica. Nave da Igreja Matriz de Sant’Ana, Caicó, RN, a 26.1.1941.
  • Renato Viana: Glória do Teatro Brasileiro. Estética, Arte, Teatro. João Caetano e o Teatro Brasileiro. Vida e obra de Renato Viana. Oração-Ensaio feita, na presença do artista, em nome da Mocidade de Niterói, em homenagem ao dramaturgo, ator, diretor e produtor, quando foi descerrada placa de bronze com o seu nome no Teatro João Caetano (Teatro Municipal de Niterói), quando da sua passagem e apresentação naquela casa, a 23 de julho de 1941. 
  • Fagundes Varela. Palestra transmitida pela Rádio Sociedade Fluminense, PRE6, de Niterói, nas celebrações da cidade do centenário do poeta. Ao ar às 21h30m, de 13.8.41. 
  • Abrigo Cristo Redentor. Vibrante elogio ao trabalho da entidade, exortando os Salesianos – sacerdotes, alunos e cooperadores – a prestigiarem e auxiliarem a instituição. Niterói, RJ, meados de 1941.
  • Advocacia: vocação e profissão. Palestra na Academia São Francisco de Sales, no Colégio Salesiano Santa Rosa, em Niterói, RJ, a 5.10.1941
  • O sétimo aniversário da Academia São Francisco de Sales. Pronunciamento do seu Presidente, José Augusto da Câmara Torres, pelas ondas da Rádio Sociedade Fluminense, PRE6, quando faz um balanço das atividades da instituição cultural. As 21h, de 7.10.1941.
  • Bandeira Nacional – Rainha Espiritual do Povo Brasileiro. Oração cívico-histórica ao Pavilhão Nacional, verdadeira ode épica em prosa, na Escola Profissional Aurelino Leal, diante da diretora, professores, alunas, autoridades e convidados. Niterói, manhã de 19.11.1941.
  • Discurso de Inauguração da Biblioteca Pública de Bom Jardim, RJ. Discurso do evento, a convite do Prefeito Celso Peçanha, dentro da programação das Comemorações do Quarto Aniversário do Estado Nacional naquele Município. Tarde de 19.11.1941.
  • Cairu e a Moral Política do Século XIX e Lições da Rerum Novarum, duas conferências na Sociedade Universitária de Estudos Sociais - SUES, da Faculdade de Direito de Niterói, em 1941. 
  • Maria Santíssima e o Brasil. Fala transmitida aos católicos de Niterói e do Estado do Rio de Janeiro, através da Rádio Sociedade Fluminense, PRE6. 18.1.1942.
  • Convocação à Campanha de Metais úteis à Segurança Nacional. Fala transmitida por uma emissora de rádio de Niterói, provavelmente a Rádio Sociedade Fluminense, PRE6, no início dos anos 1940, quando, a convite do Doutor Armando Gonçalves, José Augusto da Câmara Torres, com o chamamento “Fluminenses”, convoca a todos para doarem metais – do ouro ao chumbo, do ferro ao alumínio – visando à fabricação de armas, veículos e materiais a serem empregados na Segurança Nacional.
  • Luís da Câmara Cascudo: sua Vida, sua Obra e sua Pátria. Oração-Ensaio de Recepção ao antropólogo e historiador, quando discorreu sobre a Vida e Obra, o percurso até aquela data, do grande intelectual brasileiro, diante das sucessivas realidades e a sua consciência patriótica e nacionalista. O lugar escritor na Cultura Brasileira. Em visita à Faculdade de Direito de Niterói, a convite do terceiranista José Augusto da Câmara Torres, onde a memorável conferência As lendas e a formação social do Brasil. 5.8.1941.
  • O Congregado Mariano. Emocionante oração de fé e de exaltação ao apostolado mariano na última Sessão Plenária do Congresso da Federação das Congregações Marianas do Estado do Rio de Janeiro, em nome de todos os seus membros e católicos fluminenses, sendo o orador mais aplaudido na ocasião. Catedral de São João Batista, Niterói, RJ, a 16.11.1944. 
  • O Congresso Eucarístico da Diocese de Niterói. Principal orador do evento a 20 de julho de 1942, 
  •  Homenagem a Dom José de Medeiros Delgado, primeiro Bispo de Caicó, RN. Longa e impactante oração, de caráter teológico e eclesiástico, representando os Conrgregados Marianos de N. Sa. Auxiliadora e Dom Bosco, a Dom José de Medeiros Delgado, da Diocese de Caicó, terra natal de José Augusto, em visita a Niterói. José Augusto foi um dos fundadores e dirigente da Congregação, Basílica de N. Sa. Auxiliadora, Santa Rosa, Niterói, a 27 de setembro de 1942. 
  • 1ª Semana Eucarística da Paróquia de N. Sa. da Conceição, de Angra dos Reis, RJ. Orador oficial do evento. Presentes o Bispo de Barra do Piraí, RJ, Dom José André Coimbra; Doutor Geraldo Bezerra de Menezes, Presidente do Superior Tribunal do Trabalho e Presidente da Congregação Mariana de Niterói, autoridades religiosas, civis e militares.Angra dos Reis, 1948.
  • Madre Tereza, Rainha da Caridade e da Virtude, Conferência no Jubileu Áureo da Congregação das Pequenas Irmãs da Divina Providência, da qual Madre Tereza Michel é fundadora. Auditório do Convento do Carmo, Angra dos Reis, 8.1.1949.


Em 1958, Câmara Torres visita a Santa Casa Codrato de Vilhena  e o 
Asilo São Vicente de Paulo, em Angra dos Reis. Com ele, as Pequenas Irmãs
da Divina Providência, que, abnegadas, trabalhavam em ambas as instituições.
O Asilo foi criado durante a gestão, de onze anos. do cristão e vicentino
Câmara Torres,, à frente da Associação de Caridade São Vicente de Paulo.
(Acervo Marcelo Câmara)


  • Oração de Recepção à Visita Pastoral de Dom Agnelo Rossi, Bispo da Diocese de Barra do Piraí, RJ, à Paróquia de N. Sa. da Piedade, em Rio Claro, RJ. Orador oficial. Em Sessão Solene na Câmara Municipal, em nome da Paróquia, paroquianos e autoridades, Rio Claro, 1958.
  • Relatório à Assembleia Geral em 19.7.1957, por ocasião da Festa Inaugural do Asilo São Vicente de Paulo de Angra dos Reis. Foi Presidente, por mais de dez anos, da Associação de Caridade São Vicente de Paulo. Sob sua administração, construiu e inaugurou o Asilo de Assistência à Velhice Desamparada.
  • A Importância da educação familiar e sistemática na formação integral do adolescente, Centro Juvenil de Orientação e Pesquisa – CEJOP, em Niterói, RJ, a 13 de maio de 1959.
  • A amizade me fez escravo desta Gente. Discurso histórico de agradecimento ao receber da Câmara Municipal de Paraty, o Título Honorário (o primeiro a ser concedido na História do Município) de “Cidadão de Parati”, a 22.6.1960, no dia do seu aniversário de 43 anos.
  • Oração de posse como Membro da Academia Valenciana de Letras (Valença, RJ), ao ocupar a Cadeira nº 27, patronímica de José Lopes da Silva Trovão, a 19.6.1965. Foi saudado pelo acadêmico Dayl de Almeida. 
  • Oração de Paraninfo da Primeira Turma de Formandos da Escola Normal Maria Luiza, de Paraty, RJ.  Salão Nobre da Câmara Municipal de Paraty, em dezembro de 1966.
  • Angra dos Reis: Evolução Cultural e Desenvolvimento Portuário. Educação, Cultura, Economia, História, Sociologia, Desenvolvimento. Aula inaugural do ano letivo de 1967, do Colégio Estadual Artur Vargas, Angra dos Reis, RJ, 13.3.1967. 
  • Rio Claro tem Energia Elétrica segura e permanente. Discurso de grande relevância política, que passou a integrar a História de Rio Claro. RJ, quando foi comemorada a solução definitiva do fornecimento de energia elétrica do Município com a Light assumindo a concessão do serviço público por Decreto do Presidente da República. O Discurso de Câmara Torres foi pronunciado  na Câmara Municipal daquele Município, diante do então Senador Paulo Torres, do Governador Geremias Fontes e dezenas de autoridades dos Três Poderes, federais, estaduais e municipais. Na fala, Câmara Torres historia todo o processo de anos de lutas e a participação dos poderes públicos, de cada instituição, autoridade e cidadão rio-clarense, que culminou com a vitória. Câmara Municipal de Rio Claro, RJ, a 20.8.1967. 
  • Aula Inaugural do Curso Técnico e de Prática Comercial. Ensino oferecido aos detentos do Presídio Geral do Estado, na condição de Secretário do Interior e Justiça do Estado do Rio de Janeiro, em Niterói, a 4.6.1968.
  • Recepção a Paulo de Almeida Campos na Academia Valenciana de Letras, de Valença, RJ, a 2.6.1973.
  • Discurso de Inauguração do Fórum Silvio Romero, de Paraty, A obra planejada e viabilizada por Câmara Torres. Na ocasião, falou sobre todo o processo de construção do Fórum, desde a doação pela Prefeitura do terreno ao Governo do Estado e do projeto de restauração e adaptação do sobrado para funcionar como sede da Comarca, atos que promoveu como Secretário do Interior e Justiça em 1967-8. Depois, lembrou da minuta do Projeto à Assembleia Legislativa, assumido pelo Deputado João José Galindo, transformado na Lei 7.2017, de 15.7.73, que denominou “Silvio Romero” o Edifício do Fórum de Paraty, dois dias depois de se completarem 59 anos da morte do genial brasileiro. O homenageado foi grande jurista, filósofo, professor, sociólogo e crítico sergipano e Pretor do Termo de Paraty de 1877 a 1879. Paraty, 27.7.1974.
  • Inauguração do Centro Educacional Engenheiro Mário Moura Brasil do Amaral – CEMBRA, de Paraty. Discurso oficial das solenidades de abertura do Educandário, pronunciado em louvor à Vida e Obra do Homenageado que deu nome ao Estabelecimento, a 29.5.1976.
  • O Angrense Raul Pompeia – Figura de Ouro da Literatura e da Cultura Brasileira. Discurso pronunciado na solenidade de instalação definitiva do busto do escritor durante a inauguração da Praça Raul Pompeia, no centro da cidade de Angra dos Reis, a 7.9.1977.
  • Discurso em homenagem ao Juiz de Direito de Direito da Comarca, Francisco Jorge Pastane, O advogado falou em nome da 21ª Subseção da OAB – Angra dos Reis – por ocasião do aniversário do magistrado, no Hotel Porto Galo, Distrito do Frade. Angra dos Reis, a 31.5.1984. 
  • Discurso oficial de inauguração da Sala da Delegacia de Paraty da 21ª Subseção da OAB – Angra do Reis, no Fórum Silvio Romero. Delegacia criada e instalada por Câmara Torres como Dirigente da OAB, bem como a sugestão de sugerir o nome de Samuel Costa para o espaço, quando o retrato do ilustre advogado e deputado paratyense foi inaugurado, perante autoridades e descendentes do homenageado. Depois a Delegacia transformou-se em Subseção, também por obra de Câmara Torres. Paraty, 13.7.1984. 
  • Discurso de posse no cargo de Presidente da 21ª Subseção da OAB-RJ, de Angra dos Reis para o biênio 1985-7. A cerimônia foi realizada no  Hotel Porto Galo, naquele Município, a 8.3.1985.
_________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário